Make your own free website on Tripod.com

Talismãs

Paulo Roberto Lunardon Ap.'.M.'.
ARLS Cavaleiros da Arte Real 3245
Or.'. de Curitiba-Pr

A palavra talismã é de origem árabe e significa "coisa mágica". No início da Era Cristã, os talismãs eram amaldiçoados pela Igreja católica e tidos como coisa do demônio.

Foram cultuados em todo mundo como objetos capazes de trazer sorte e de proteger contra todos os males. São objetos que podem ser usados no bolso, na bolsa, na gaveta, na mesa de trabalho ou embaixo do travesseiro.

O importante é que o talismã fique impregnado com a energia de quem o está usando, para que lhe seja transmitido a força do desejo.

Justamente porque a magia do talismã consiste exatamente na capacidade que ele tem de captar e ampliar a força dos nossos pensamentos e de canalizar a ajuda do universo para a concretização dos nossos sonhos.

Lembre-se de que o principal responsável pelo seu sucesso é sempre VOCÊ.

Pomba
Símbolo de paz e fraternidade, representa o espírito vital e está associada às deusas mães e a virgens celestes. Traz felicidade para os amantes, fazendo reinar a harmonia no relacionamento a dois.
Borboleta
Costuma ser associada à imortalidade por representar o contínuo ciclo de vida, morte e renascimento. Favorece a harmonia e o entendimento conjugal e proporciona uma união duradoura e feliz.
Coração
Um dos talismãs mais importantes para os antigos egípcios, pois o coração é o lugar onde habita a alma e, deve ser usado para evitar que ela escape ou seja atacada. O coração protege todos os envolvimentos afetivos e traz estabilidade para os relacionamentos. Garante força espiritual e felicidade Além disso, também facilita as conquistas amorosas.
Serpente
Para os astecas a serpente que morde o próprio rabo (muito usada em anéis e pulseiras) era símbolo de eternidade, isto é, o tempo circular que sempre volta sobre si mesmo, eternamente começando, criando e destruindo. No Egito como talismã, era portador de longevidade, saúde e vitalidade; a serpente Ureus, aparecia na coroa dos faraós, como uma personificação de Rá, o Sol, e simbolizava poder divino, sabedoria e energia. Nas religiões indianas, a serpente era conhecida como ananta e também representava o infinito, símbolo da duração eterna da vida. A serpente como talismã é portadora de sabedoria, conhecimento e inteligência.
Figa
Muito usada contra o mau olhado, serve também para atrair dinheiro e prosperidade. A figa traz bons resultados em jogos de azar e loterias e proporciona ganhos extras.
Trevo
O trevo de quatro folhas traz felicidade e fortuna, é o símbolo mais tradicional de boa sorte. Quando se encontra um na natureza, pode-se esperar sempre boas notícias.
Cornucópia
Miticamente relacionado a infância de Júpiter, o chifre da cabra Amaltéia é símbolo de abundância, plenitude e prosperidade.
Sinos
Antigamente o sino era usado para afugentar os demônios, pois acreditava-se que eles tinham medo dos sons muito fortes. Por essa razão, sinos eram colocados nos cavalos e nos brinquedos das crianças, para que as forças do mal não se aproximassem. Como talismã, o sino ataca as forças negativas.
Tartaruga
A imagem da tartaruga está associada à união perfeita entre o homem, o céu e a terra, trazendo boa sorte e longevidade e favorecendo a estabilidade nas relações amorosas, evitando intrigas para o casal.
Cruz Ansada
No antigo Egito era o símbolo da vida, composta por uma cruz com uma alça na parte superior, que representa Rá (o Sol)na forma de uma boca aberta, através da qual emergem as águas que dão vida à terra. Esta figura corresponde a uma figura humana estilizada. Está relacionada a todas as manifestações de vida e à união sexual. Como talismã, dá conhecimento, lucidez, poder e abundância.
Unicórnio
Por ser um animal que teria se originado na Atlântida, os gregos o consideravam um símbolo da pureza e da castidade. Como talismã, traz segurança e proteção e favorece as relações sentimentais.
Suástica
Um dos mais antigos e conhecidos talismãs, teve origem no Período Neolítico, quando já aparece inscrito em algumas pedras. Seu nome provém do sânscrito sva sti ka, que quer dizer "boa sorte". Na Índia e no antigo Ceilão, a suástica era símbolo do progresso humano e significava vida longa, boa fortuna e boa sorte. Entre os povos escandinavos, foi identificada como o martelo de Thor, senhor do raio e do trovão, deus do ar, e sua função era dominar os demônios do céu. Atualmente é considerado um talismã para a boa sorte, para se ter energia e dar conta de todas as tarefas e para uma vida longa e saudável.